Início

Malucos Caninos

Guto resolveu ficar mais um tempo na cidade grande. Vou ter que aguentar!!!

Ele e outros cachorros montaram uma banda de rock chamada “Malucos Caninos”, parece que vai haver um concurso para escolher a melhor banda do prédio.

– Tem gente que é cega! Esse Guto não enxerga o melhor cantor de rock que está ao seu lado – euzinho – Fred. Preferiu chamar o “Mico Jegue” para ser o vocalista. Fazer o que, né?!!!

Ele disse que o vencedor vai levar como prêmio uma viagem para Los Canes, meca dos artistas de cinema e da música.

O Guto não me convidou, a Charlote e o Romeu, que também participaram do concurso, não quiseram se ofuscar com a minha presença na banda deles,  mas eu vou assim mesmo, vou montar minha própria banda.

 Chamei vários conhecidos para participar, mas parece que os candidatos têm medo do meu talento, preferem não se arriscar a tamanho sucesso.

– É, o jeito é tentar a carreira solo. Pensei.

Mas ainda assim precisava de alguém para compor a música. Essa aptidão, confesso, nunca tive. Então lembrei de uma canção que minha mãe cantava só para mim quando era criança, com a letra muito rica e profunda.

Seguinte:    

Minha malinha sem alça, você é tão bonitinha,

Minha malinha sem alça, você é tão “petitinho”.            

Minha malinha sem alça, quero você bem pertinho.

Minha malinha sem alça, vai dormir rapidinho.

 

Maraaaaavilhosa a melodia, já ganhei, pensei.

No dia do concurso, depois da apresentação das bandas da Charlote e do Guto, foi a minha vez.

No dia anterior,  tinha atacado a refeição da humana-mor, achando que seria um bife suculento. Só que não! Era peixe, odeio peixe!!!

Só sei que após engolir o prato, num passe de mágica, ficou um espinho agarrado em minha garganta. Na hora, nem liguei, ficando em silêncio o restante do dia para economizar a voz para o show.

No momento da apresentação, vi que o espinho ainda estava lá. Então, na medida em que eu cantava, ora a voz engrossava, ora afinava, parecendo que havia vários cantores.

Não posso negar que as apresentações das bandas anteriores foram um sucesso, mas aquele jeito esquisito como eu cantei deixou intrigados os jurados que pensaram que era um método novo de composição, formando um grupo de vozes por uma única pessoa.

Quando anunciaram o vencedor, adivinha quem era!

Euzinho – Fred – ninguém mais…

Para falar a verdade, nem eu acreditei… Fiquei mudo de susto…

Mas, vou viajar….

Los Canes, me aguarde!

 

 

 

Romeu e Charlote

Moro há tempos neste prédio. Como eu gosto daqui, a vida é muito boa!

Fica perto do parque, do pet, do supermercado, onde eu posso comprar biscoitos. Adoro biscoitos!!!

E o melhor de tudo é a vizinhança.

No apartamento do lado, moram os amigos dos meus humanos que são cuidados pelo Romeu e pela Charlote, um casal de gatos muito simpáticos.

A Charlote é a delicadeza em pessoa, frágil, meiga, linda e com a personalidade muito forte, acaba com a raça do pobre do Romeu que é apaixonado por ela.

A gente conversa muito pela janela. É que a janela da minha sala fica de frente para a janela da sala deles!

Um dia, estava eu dependurado na tela, quando, não sei por que,  a tela partiu em um dos fios, disseram que foi meu peso, o que eu não acredito, pois, como já disse, sou esbelto. Só se foram meus bíceps. Também já falei que sou muito forte. Feito só de músculos! Aliás, deve ser por isso que me chamavam de bacon, né?

Mas, voltando à vaca fria, vaca, não, aos gatos.

Aqueles dois são verdadeiros amigos! Trocamos confidências e, se não fosse o ciúme que o Romeu tem da Charlote, poderíamos até nos encontrar mais.

Mas, levando em conta que, da última vez, ele cravou suas garras em minha barriguinha, tenho a marca até hoje, melhor conversarmos pela janela mesmo.

O maior segredo que os felinos guardam só eu sei. Eles têm o hábito de colocar seus humanos para dormir e, depois, cair na farra.

Toda noite, aproveitam que moramos no primeiro andar e a janela fica perto do muro. Assim fica fácil pular e sair por ai, fazendo serenatas com a “gataiada” da vizinhança.

Aliás, dizem que gato é capaz de saltar de grandes alturas. Há um tempo, estava eu fazendo meu check up anual na clínica veterinária, quando chegou a ambulância trazendo o infeliz do gatinho que havia caído do 7º andar e ainda estava vivo. Passados uns dias, tive notícia que o sortudo sobreviveu e quebrou apenas uma das patinhas.

Também, não é segredo que gatos têm sete vidas…

A Charlote me contou que estão montando uma banda de rock. Não sei se vai dar certo! Ela até que tem voz bonita, mas o Romeu, parece uma taquara rachada. Coitado!

Outro dia, fui tentar pular a janela para assistir o ensaio da banda deles. Mas, na tela da minha janela não tem o furo que há na janela dos gatos. Então, sabe o que aconteceu. Fiquei enganchado de cabeça para baixo até de manhã, quando apareceu um filho de Deus para me socorrer. Ainda levei muita bronca. Esses humanos esquecem quem manda na casa…

 

A Chegada do Guto

Din don…

Quando meus humanos abriram a porta, eis que surge aquele cachorrão “sarado”, vestido como um cantor de funk, tatuado, cheio de gírias.

A Charlotte, minha vizinha gata, suspirou do apartamento ao lado. Que gato!!!

Aff! Gritei:

– Ele é cachorro, não é gato não! Tem gosto para tudo! Pensei.

-Deve ser engano, deduzi, mas, mesmo assim, parti para cima do sujeito com tudo, já preparando meu golpe “tomanacara”, quando o mal encarado bateu nos meus ombros, dizendo:

– E aí Primo!!!

Não acreditei, era o Guto, quer dizer, Gutão, né?

Olhei para o parente incrédulo e disparei:

– Você… é você… tia Lili…

– Sim, sou eu Fred, seu melhor primo, lembra de mim? Perguntou o viajante.

Tive que me render. Como era bem apessoado o rapaz! Era forte, musculoso, falava bem, sabia cantar e, tenho que reconhecer, era muito simpático, conversava com todos, sobre tudo. Transformava qualquer bate-papo em uma conversa inesquecível. Sabia de todos os heróis da história: Rin Tin Tim, Lassie, Snoopy, Bidu, todos os 101 dálmatas, a dama e o vagabundo, Scooby Doo, até do Pluto. Só entre nós, ele é o “cara”!

– Sim, lembro sim, resmunguei. Aquele pentelho que vivia pegando minha comida, quebrando meus brinquedos e roubando toda a atenção dos humanos. Como poderia esquecer?

– É primo, vim matar a saudade! Completou o digníssimo.

No primeiro passeio juntos, íamos saindo do prédio, quando cruzamos com a Charlote e o Romeu, de quem eu vou falar depois.

– E aí chegados?!!! Disparou o forasteiro.
A Charlote, eu já sabia, se derreteu pelo peludo, mas, o Romeu, até o Romeu virou fã do sujeito.

Três minutos depois, os dois gatos já haviam convidado o Guto para participar da banda deles, deixando de lado um “expert” em música, como eu. Gente falsa!!!

Todos os dias, o “bonitão” tinha um programa na vizinhança, conheceu gente de quem eu nunca ouvi falar, até mesmo fora do condomínio. Como ele dizia:

– Tô na parada!!!

Meus humanos ficaram babando! Acredita que tiveram o desplante de esquecerem de colocar comida para mim. No início, achei que se tratava de velhacaria do intruso, que estava roubando minha refeição. Mas, depois, a humana-mor veio se desculpar porque ficou distraída com o Guto e esqueceu de colocar comida para mim. Olha que desaforo!!!

Parei para prestar atenção naquele que se dizia meu primo, cheguei a pensar que seria um disfarce de algum fã meu, querendo conviver e aproveitar do meu conhecimento e astúcia, mas não, de fato, era o tal do Guto, da tia Lili.

Não é que o abusado sabia de tudo que estava rolando, desde de aplicativos até a música do momento. E quando foi cantar na banda felinos, dizem que foi o máximo, atraindo a atenção de gatos, cachorros e carrapatos. Quem viu, gostou! Tô chocado!

No belo dia em que, finalmente, aceitou um convite meu para ir ao shopping, estávamos chegando, quando fui subir na escada rolante, tropecei no meu rabo, virei uma cambalhota e fui sugado pela monstra.

– Nunca pensei que a escada rolante fosse tão medonha!

O primo Guto, atleta como ele acredita que é, subiu correndo para me socorrer, apesar de, claro, não ser preciso, pois sei lidar com todos os perigos. Mas ele insistiu e me tirou daquela enrascada ou enroscada, mesmo!

Depois, fiquei meia hora esperando ele tirar selfies com as garotas que ficaram babando com seu heroísmo.

Aff!!!

 

 

Tia Lili

Estava eu lá fazendo minha sesta, quando meu smartphone toca – era a tia Lili que mora no interior.

Tia Lili é uma grande pessoa, digo, cadela. Com fibra, guerreira. Toma conta, sozinha, de cinco humanos que são “duros na queda” e ainda aguenta o tal do Guto, de quem eu vou falar depois.

Tia Lili era filha única da vovó Tatá, uma incansável passeadora, vivia na rua.

 Tia Lili ainda era um filhote, quando sua mãe resolveu dar no pé, deixando a pobre sozinha para cuidar de cinco humanos.

Há muito tempo a vovó Tatá já pensava num meio de se mudar definitivamente para as ruas. Ela gostava de conhecer novos animais, lugares e comidas. Por isso, sonhava em viver livre.

Certa vez quando um dos desatentos humanos deixou o cadeado do portão aberto. Foi o bastante para a vovó Tatá sair correndo como um furacão. Nunca mais se ouviu notícia da velhinha. Dizem que ele vive viajando, tendo experiências diferentes.

Resultado: a titia Lili, ainda uma criança teve que dar conta de tudo sozinha. Não foi fácil. Todos exigem muito dela. Mas Deus ajuda e, hoje, apesar de eu não concordar, ela fala que o Guto, o meu primo bobão, veio para trazer alegria à casa.

Chegou há pouco mais de três anos, dado de presente pela madrinha da humaninha.

Desde pequeno ele é um trapalhão, vivia correndo pela casa e derrubando a frágil Lili. Quantas vezes, ele surrupiava a comida da pobrezinha. Quando a tia descuidava, o bandido engolia de uma vez toda a sua refeição, deixando a pobre faminta.

E não é só. Ele sempre derrubava sua vasilha de água, obrigando a pobrezinha a tomar água da piscina. Quando eles vão sair de carro, sai o Guto em disparada, dá um rodopio na tia e chega primeiro no banco da frente, às vezes, deixando a idosa para trás.

Dizem os humanos dali, com a concordância da tia Lili, que ele é o guardião da casa. Bahhh!!! Tem gente que acredita em qualquer mentira deslavada!!!

Isto porque, certo dia, estava ele lá, o folgado, o mequetrefe, mariola, biltre deitado.

Sabe aquele ponto da casa, onde podemos ver tudo que acontece, você tem visão de todos os quartos, banheiros, cozinha e principalmente da porta de entrada, onde, geralmente, todo cão eficiente tem que atuar.

Pois é, o folgado do Guto, mal saiu das fraldas, achou que era gente e quis assumir o lugar da tia Lili e sua primeira providência foi roubar-lhe o ponto de guarda.

Tia Lili não teve alternativa, teve que deixar o folgado lá. Só que o danado não cumpre a obrigação de olhar a casa, deixa tudo de esquisito acontecer.

Estava o boboca lá no ponto de guarda, fingindo que estava alerta. Aí, começou uma movimentação esquisita na vizinhança. Tia Lili havia saído no momento.

Bom, continuando, estava o trouxa lá parado, quando de repente vê um vulto passar na rua, carregando uma televisão. Guto dá um pulo e sai correndo e latindo para a sacada do quarto da humaninha. De lá, ele vê o bandido carregando caixa com joias e computador .

O peludo quase perdeu a voz de tanto latir. A humanada, já conhecedora da fama de escandaloso do Guto, nada fez. Mas, ele continuou alerta  e latindo, o que, talvez, afastou o meliante da casa.

Mais tarde, quando noticiou no rádio que a casa vizinha havia sido roubada, os humanos da tia Lili, com muito esforço, reconheceram a rua e perceberam que a barulhada do Guto tinha uma razão, ele estava espantando o ladrão.

Quando a tia Lili soube da notícia, quase se derreteu de tanto elogiar aquele herói do Paraguai. Dali em diante, ele passou a ser o chefe da segurança, com toda pompa e circunstância. Ganhou até a medalha de “Cão de Mérito”.

Huuummm! Na minha opinião, não fez mais do que obrigação, mas…

Tia Lili falou ao herói de plantão:

– Guto, você é um excelente cão de guarda, nem os ladrões mais espertos e audaciosos são páreos para você!

Mãe é mãe, né?

Bom, retornando ao telefonema da tia Lili, ela estava avisando que o primo Guto chegaria no dia seguinte para um passeio na cidade grande e me perguntou se ele poderia ficar na minha casa.

Não poderia negar um pedido da minha querida tia Lili…

– Ah meu Deus!!!  Vou ter que pajear caipira. O jeito é usar a minha nobreza para ensinar tudo ao coitado.  Garanto que não sabe usar a escada rolante, nunca ouviu falar de elevador e, sequer, tem smartphone, pensei com meus botões.

Fazer o que, né?!!! “Vamo sofrê”…

 

O começo

Tudo começou quando foram me buscar na maternidade.

Eu, aquele tipo “galã de Hollywood” mirim, pois era apenas um garoto, estava ali esperando o tempo passar, meus músculos crescerem e ficar cada vez mais bonito. Quando chegaram quatro humanos apenas para conhecerem o lugar.

Quando olharam para mim, não puderam conter a emoção, tamanha era a minha beleza, inteligência e astúcia.

Talvez por não acharem as palavras certas, disseram à minha enfermeira, babá, assistente, secretária, não sei bem qual era o seu cargo:

– Mas, estamos querendo uma fêmea. Perdemos nossa cadelinha e gostávamos muito dela!

A minha subalterna insistiu e disse:

– Mas tem este machinho que já está aqui há algum tempo, triste e solitário. Ele ainda não encontrou sua família.

Num passe de mágica, aqueles pobres mortais me olharam e, imediatamente, fiz aquele olhar “tchan, tchan”, a moça disse:

– Mas o macho é mais bravo, faz xixi pela casa toda!

Foi preciso eu repetir o olhar.

Tchan, tchan…

– Mas o macho late e costuma ser muito desobediente!

Por fim, já estava ficando vesgo de tanto olhar esquisito para aquela gente…

Quando a garotinha se aproximou e me pegou no colo. Desta vez, não perdi tempo, lancei outro olhar esmagador, e ela não resistiu…

 – Por favor, mamãe, tadinho, ele tem os olhinhos tortos!!!

Aquelas palavras me ofenderam porque sei que não existe beleza maior do que a deste ser que vos fala, mas tudo bem! Aceitei como um elogio e resolvi seguir com aqueles seres desprovidos do amor canino e órfãos do calor de pelos.

 

 

Apresentação

 

 

Oi!

Me chamo Fred Parreiras!

Sou tímido, introvertido e modesto, mas sou o “top” dos “tops”!

Daqui pra frente, vou transformar seus dias, contando histórias, dando dicas, falando da vida, fofocando… e fazendo você dar boas risadas.

Sei de tudo, muito! Falo de esportes, filmes, baladas, cidades, países e, principalmente, de biscoitos. Adoro biscoitos!!!

Falo várias línguas, inclusive, “cachorrês”.

Sei surfar, nadar, velejar, cantar, correr, esquiar, escalar montanhas, garimpar, “bike”, “skate” e, tudo mais, para que nossa conversa seja muito divertida.

Minha vida é muito agitada, pois cuido de quatro humanos, que não são fáceis. Tenho que dar atenção a eles, seus amigos e sua família. É duro!!! Mas eu amo!

Além disso, tenho vários amigos, e a turma do parque que não me deixa ficar parado!

Aos poucos, vou apresentando todos a vocês e contando os casos de cada um deles. Aí, você vai entender por que, às vezes, sou tão mal humorado e rabugento. Esse meu povo!!!

Apesar de ninguém concordar com isso, me acho muito sensível. Você deve me contar seus segredos, porque sou ótimo conselheiro sentimental. Se precisar, posso dar ótimas dicas amorosas, fazer a previsão do tempo, ler cartas, tarô e patinhas.

Sua vida vai ficar muito mais “cool” se você me seguir, pois entendo tudo de moda. A cada dia, vou te mostrar o “look” do dia e ditar as tendências da moda e os “points” do mundo que você tem que conhecer.

Ah!!! Não se esqueça, quero muito ser amigo do seu amigo pet, por isso mande fotos e fale dele para que possamos ter uma aventura juntos.

Eu “super” indico Fred Parreiras!!!